O Celeiro de cultura OFF FLIP

Atrações e novidades do Circuito Paralelo de Ideias, OFF Flip 2012:

a parceria com a Escrita Fina Edições; as Contações de Histórias da OFF Mirim, dedicada aos pequenos e jovens leitores; a Mesa de Literatura Afro-Brasileira – embrião da OFF Negra; o Clube dos Autores; o documentário Bruta Aventura em Versos, de Letícia Simões, sobre a obra de Ana Cristina César; ; o Prêmio OFF Flip de Literatura; o Café Literário com diversos autores;a Mesa de discussão dos rumos da Cultura em Paraty com o conceito revolucionário de Defeso Cultural;o livro Conversas sobre Poesia com Carlos Drummond de Andrade;o novo livro do escritor português José Luis Peixoto; a Mesa Paraty Pós RIO+20; as Oficinas de Papel Reciclado com a Ecoiza;o lançamento do livro Culturas de Fibra, da Associação Nhandeva, sobre os Povos da Mata Atlântica; o Circuito de Pratos Literários da Gastronomia Sustentável de Paraty;o lançamento do livro Delícias de Paraty – Sabores e Saberes; o já tradicional e sempre informal sarau Picareta Cultural celebrando 5 anos de audácia poética;o poeta Mano Melo; Oficinas e Exposições de Ilustrações; a Conversa de Botequim; o Prêmio Sesc;a palestra de Stephan Doitschinoff; o livro Sabor do Brasil, de Alice Granato; a exposição dos artistas plásticos Lucio Cruz, Julio Paraty e do cenógrafo Marcos Irine; a Noite de Dança e Performances com coordenação da coreógrafa e bailarina Vanda Mota; o projeto Cantoria com Luiz Perequê e convidados; o Arraiá Culturá, ao som dos Cirandeiros; o grupo de Poesia Abeporá das Letras, do Amapá;o Movimento Poeme-se; a Conversa de Botequim; o Sarau Carioca Arte em Andamento; o Maracatu Palmeira Imperial; o Selo OFF Flip; o Jongo do Quilombo do Campinho; e muito mais.

Capa do livro Cultura de Fibras, de Patricia Solari

por Marilia van Boekel Cheola*

A OFF Flip é um evento de resistência, com caráter alternativo, complementar e independente à Festa Literária oficial – Flip. A programação OFF contempla eventos próprios e apoia outros que acontecem na cidade, estabelecendo parcerias, tornando-se referência do melhor da programação paralela à FLIP, complementando assim, sob diversos aspectos, a Festa oficial. A OFF FLIP tem o mérito de ter instituído o primeiro Prêmio Literário de Paraty, o Prêmio OFF FLIP de Literatura, que vem crescendo a cada edição, assim como o primeiro Selo Editorial da cidade, o Selo OFF FLIP.

A OFF se consolidou, ao longo de sua existência, como o espaço democrático de férteis discussões, caracterizando-se por conseguir inclusive reunir, em debates, representantes da cultura na esfera dos Poderes Municipal, Estadual e Federal a legítimos atores da cultura popular, tais como lideranças das comunidades tradicionais da região de Paraty – quilombolas, indígenas e caiçaras. A OFF encarna o convite à reflexão, a pensar novos rumos para a Cultura em si.

Sobretudo, a OFF cultiva a ideia de preservar e valorizar a cultura, as artes e a literatura produzidas em Paraty e de simultaneamente abrir um caminho de encontro e interação com culturas e agentes de cultura de outros lugares, fundamentando-se em agregar manifestações culturais variadas, criando e difundindo, cada vez mais, um circuito de produção alternativa de cultura do Brasil.

Os Coroas Cirandeiros/ Off Flip 2010 | Foto: Eliane Torino

Por isso, é com grande alegria que o núcleo organizador da OFF Flip vê a Flip (da qual é ‘cria’) nesta décima edição abraçar em sua programação a produção cultural local – tudo o que a OFF, ao longo desses anos, vem cultivando e dando suporte para manter vivo e preservado, inclusive no intuito de ser mostrado ao próprio público da Festa Literária. Este reconhecimento veio a impulsionar a OFF, que mais amadurecida, já ‘costura’ agora, novos desdobramentos das atividades que envolvem os atores legítimos da cultura local, para os próximos anos.
Ao vermos o grupo de Ciranda de Tarituba e outras manifestações culturais do povo da cidade inseridos na programação da emblemática comemoração de 10 anos da Festa Literária, concretiza-se simbolicamente a integração do grande evento, do qual a cidade é palco, à cultura produzida pelo povo da região, que sempre foi o foco da OFF e até pode-se dizer, sua razão de existir.
Pois foi assim que a OFF nasceu: quando agentes culturais da cidade, principalmente na esfera artística, sentiram a necessidade de se posicionar para conservar seus valores e mostrá-los. Foi assim que a OFF tornou-se, sob diversos aspectos, um referencial de apoio à cultura produzida em Paraty. E de lá pra cá, vem ampliando e consolidando seu espectro de atuação.

Portanto, é nesse clima de harmonia, com gostinho saudável de vitória e integração, renovando-se e cumprindo sua missão de divulgar a produção cultural de Paraty e de articular, complementarmente à Flip, o intercâmbio entre autores, poetas e representantes do mercado editorial, que a OFF Flip 2012, com fôlego renovado, ‘bota seu bloco na rua’ mais uma vez, reeditando seu espírito de resistência cultural e de celebração à literatura e à arte e cultura em geral e apresenta aqui um resumo de sua programação 2012:

Flavio de Araújo

A OFF FLIP este ano terá cerca de 80 eventos e 120 escritores participando de mesas de debate, sessões de leitura, saraus e lançamentos. Entre os presentes, Diego Gerlach, Jeanette Roszas, o português José Luiz Peixoto, Mirna Brasil Portella, Leandro Leite Leocádio, Lucia Bettencourt, o alagoano Carlito Lima – organizador da Flimar, Augusto Pessoa, Hellenice Ferreira, o poeta paratiense Flavio de Araújo, entre outros.

Vários movimentos poéticos marcam presença no evento, como a Picareta Cultural, que completa agora a simpática marca de cinco edições voltadas à poesia e à irreverência. Organizado por Caio Carmacho e Valterlei Borges o Sarau reúne autores novos e consagrados, além de músicos e artistas de todas as partes.

Também estarão presentes Coletivos de Poesia reunidos em Saraus como os grupos cariocas Arte em Andamento, o Poeme-se e o Abeporá das Palavras, do Amapá, este debatendo também a produção literária na Amazônia, com a poetisa Carla Nobre, organizadora da Feira do Livro do Amapá, na Conversa de Botequim.

Na programação desta edição, como em todos os anos, escritores e público participam de encontros de leitura, debates, recitais, saraus, lançamentos e sessões de autógrafos. O Café Literário reunirá vários autores em duas edições de debates sobre temas como o Livro na Era Digital e o processo de organização das festas e feiras literárias por todo o Brasil.

Na noite de sábado acontecerá a entrega do VII Prêmio OFF FLIP de Literatura e do Prêmio Sesc, com Sarau reunindo os vencedores, onde participam autores do Brasil e de outros países e o lançamento da coletânea do Selo OFF Flip com os textos vencedores do Prêmio OFF Flip no ano passado, com sessão de autógrafos e coquetel, na Casa Sesc.

Destaque para a Mesa Ideias de Cultura, na qual serão sugeridas e discutidas novas diretrizes para a política cultural de Paraty e onde será embasado pelo compositor, poeta, articulador social e pensador paratiense Luís Perequê, seu conceito revolucionário de Defeso Cultural.

Capa do livro Navio Negreiro, de André Cortês

Vale conferir os lançamentos e debates sobre Histórias em Quadrinhos, com Carlo Carrenho e Carlos Henrique Schroeder, entre outros, assim como o lançamento do livro Caligrafias de Natalia Barros e seu show de poesia cantada, no Clube dos Autores. Igualmente imperdível é a pré-estreia informal do documentário Bruta Aventura em Versos, de Letícia Simões, sobre a instigante obra de Ana Cristina César, ícone da poesia marginal carioca dos anos 70; e a Sessão Paratiana – O Brasil antes de Paraty, com exibição do filme de Nelson Pereira dos Santos: Como era gostoso o meu Francês – ícone do Movimento do Cinema Novo Brasileiro, rodado em Paraty.

A OFF Flip acontece também nas ruas da cidade. No Centro Histórico, o Palhaço Chulé será o arauto da OFF, orientando ludicamente os visitantes para os locais da programação do evento. Destaque para o lançamento do livro O Navio Negreiro, caprichada edição do antológico poema libertário de Castro Alves, da Escrita Fina Edições, com texto de apresentação de Nei Lopes e ilustrações de André Côrtes e para a Sessão Coletiva de Autógrafos dos livros sobre Jongo e Maracatu que, juntamente com a Mesa de Literatura Afro-Brasileira, formam o embrião da futura OFF Negra. A Mesa reunirá lideranças quilombolas, escritores, pesquisadores e ilustradores em torno do tema da fusão cultural entre África e Brasil – as contribuições, questões e sincretismos decorrentes dessa miscigenação e a literatura produzida a partir disso.

Página do livro bordado pelos alunos do Cembra

Já as numerosas e divertidas Rodas e Contações de Histórias ao longo da programação são as saltitantes sementes plantadas agora para a OFF Mirim, dedicada principalmente ao público infantil e adolescente e que se estenderá a instituições psiquiátricas e de apoio social, como asilos, instituições de apoio ao menor carente, o Centro de Referência de Assistência Social e o CAPS de Paraty. Destaque também para o lançamento dos livros sobre Gastronomia: Sabor do Brasil, de Alice Granato e Delícias de Paraty – Sabores e Saberes, de Gigi Peçanha; e para o Circuito de Pratos Literários da Gastronomia Sustentável de Paraty, movimento que cada vez mais se fortalece, homenageando autores e encantando paladares.

E ainda, o lançamento do livro Culturas de Fibra, trabalho de pesquisa da Associação Nhandeva, patrocinado pelo IPHAN e pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, que constitui registro de suma importância no resgate da memória cultural, histórica e econômica das atividades desenvolvidas pelas populações tradicionais da região de Paraty. Atenção também para a Mesa Paraty Pós RIO+20, que fará uma análise da situação da cidade, do país e do planeta sob o enfoque ambientalista, à luz da discussão das decisões tomadas na conferência do Rio de Janeiro.

No Instituto Silo Cultural acontecerão exposições diversas, apresentações de teatro, dança e performances com coordenação da coreógrafa, bailarina e diretora da instituição, Vanda Mota. Assim como rica programação musical sob a batuta do conceituado poeta, cantor, compositor, pensador e articulador social, líder da Rede Caiçara de Cultura, também diretor da instituição, Luís Perequê. Lá acontecerá também o Arraiá Culturá, animado por Grupos de Ciranda locais.

Os livros dos escritores participantes desta edição 2012 serão vendidos na OFF Livros, na sede do Instituto Silo Cultural (em frente à Casa da Cultura, no Centro Histórico, das 10h às 22h), onde haverá também informações sobre a OFF Flip e a programação cultural da cidade. O ‘Caldeirão Cultural’ da OFF Flip envolve tudo isso: saraus de poesia, performances, lançamentos de livros, manifestações artístico-culturais das comunidades tradicionais da região, debates, sessões de autógrafos, apresentações musicais, espetáculos de dança e teatro, sessões de filmes e audiovisuais, gastronomia sustentável, ecologia, exposições, oficinas e, além de tudo, principalmente, o espírito de confraternização em torno deste rico Universo.

A OFF FLIP 2012 é realizada através de convênio firmado entre o Instituto Silo Cultural e a Secretaria Municipal de Cultura de Paraty.

A programação na íntegra pode ser conferida no site www.offflip.paraty.com

*Marilia van Boekel Cheola é assessora de imprensa e uma das ativistas do núcleo de ideias da OFF FLIP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


nove + = 14